terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Usuários encomendavam cocaína em bar através do Whatsapp

Uma das maneiras utilizadas pelo proprietário do bar Point do Marcelo, localizado na Avenida Miguel Rosa, zona Centro Norte de Teresina, para vender droga era através do aplicativo Whatsapp. Ao Cidadeverde.com, o delegado Tales Gomes, da Delegacia Especializada de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre), informou que flagrou troca de mensagens entre usuários e o suspeito de tráfico. 
Marcelo Lima Cordeiro, 44 anos, foi preso no último fim de semana durante operação da Depre que fechou o bar que leva seu nome. O local, de acordo com as investigações da Depre, funcionava apenas como fachada para venda de cocaína.
Nas conversas do aplicativo Whatsapp interceptadas pela Depre, usuários, que na maioria eram pessoas de classe média alta, encomendaram papelotes de cocaína. 

"Maioria dos usuários era de pessoas que saiam de baladas e passavam lá só para pegar a droga. Alguns advogados eram clientes do Point do Marcelo e em uma das conversas tem um que diz que está saindo da boate e pede para encomendar a cocaína", conta o delegado Tales. 

No dia da operação que fechou o bar, os agentes da Depre encontraram dentro do carro de Marcelo, vários documentos de usuários, inclusive uma carteira da Ordem dos Advogados do Brasil- OAB-PI. Também foram encontradas carteiras de habilitação, um revólver calibre 38 e celulares.
No veículo também havia uma contabilidade de quanto cada usuário devia a Marcelo. 

"Eram valores avulsos. R$100, R$150, variava", detalha o delegado. Os compradores deixavam seus documentos pessoais no ponto de venda de droga como uma espécie de penhor, garantindo que iam pagar pela droga posteriormente. 

Os documentos apreendidos estão na sede da Depre, no bairro Saci, na zona Sul de Teresina. O delegado Tales Gomes pede que os donos procurem à especializada para reaverem seus registros. 

"Vamos esperar até quinta-feira (09). Quem não vier será intimado e terá que prestar depoimento", avisa o delegado Tales Gomes. 

Marcelo Lima está preso preventivamente. Ele foi autuado por tráfico de drogas e porte ilegal de arma.
Fonte: CidadeVerde | Edição: SIM NOTICIAS