quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Sem a Saúde, PP arma 'Plano B' e pode lançar Sílvio Mendes candidato

O “cavalo de pau” que o governador Wellington Dias deu no acordo com o PP surpreendeu o partido e provocou muito frisson nos meios políticos. Em entrevista concedida no município de Uruçuí, na terça-feira, Wellington declarou que o secretário Francisco Costa seguiria no comando da Secretaria de Saúde, onde chegou na cota do deputado federal Assis Carvalho (PT). O governador não disse até quando, mas sua declaração soou como um recuo no compromisso feito com o PP.
Nos últimos dias, o governador sofreu muitas pressões de seu partido para não entregar mais cargos aos aliados e ex-adversários. Pelo visto, cedeu. O deputado Assis Carvalho, que até então estava calado sobre o processo, quebrou o silêncio através de uma nota publicada em sua página no Facebook.
O petista afirma que jamais cobrou – nem por escrito, nem pessoalmente - qualquer cargo ou benefício, nem questionou a fidelidade do governador ao projeto político de que participa, nem fez qualquer abordagem no tom e com o conteúdo especulado (ameaça de desfiliação do PT). Ele diz também que não discute reforma administrativa, pois ela é de responsabilidade do governador.
Wellington Dias esteve ontem em Brasília, mas não se encontrou com o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, com quem fez os acertos sobre a Secretaria de Saúde. Ciro está nos Estados Unidos, participando de missão na Organização das Nações Unidas (ONU). O parlamentar retorna amanhã ao Brasil.
No Piauí, o PP não quis demonstrar estresse com a repentina mudança do governador. Seu presidente regional, deputado Júlio Arcoverde, disse que o PP não procurou o cargo. O governador é que o ofereceu ao partido, sob a justificativa de um alinhamento com o Ministério da Saúde, sob o domínio do PP.
Ontem, soube-se que, diante do recuo do governador, o PP já armou o seu Plano B. E isso poderá causar uma reviravolta nos encaminhamentos da sucessão estadual, pois passa pela preparação do lançamento do ex-prefeito Sílvio Mendes ao governo, agora filiado ao partido.
Fonte: Cidade Verde | Edição: SIM NOTICIAS